como cuidar filhote de cachorro

Como cuidar dos filhotes de cachorros nas viagens
Como cuidar dos filhotes de cachorros nas viagens

Como cuidar dos filhotes de cachorros nas viagens

Dicas de como cuidar do seu pequeno amigo, ainda quando novo os filhotinhos de cachorro precisam muito da sua atenção e cuidados.

A partir de 2004, o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento começou a emitir o passaporte para cães e gatos. O documento é uma alternativa ao Certificado Veterinário Internacional (CVI), que era o único existente anteriormente. Enquanto o CVI deve ser solicitado novamente a cada viagem, o passaporte vale por toda a vida do animal. Por enquanto, ele só é aceito nos países do Mercosul – a Argentina, o Paraguai, Uruguai e a Venezuela –, que têm acordo de equivalência com o Brasil. Pode ainda ser usado em viagens domésticas, substituindo o atestado de saúde animal. O Ministério reuniu todas as possíveis dúvidas sobre o tema em seu site (veja aqui). A Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) também lista uma série de normas para o transporte de animais de estimação em viagens aéreas. É essencial observar as diferentes regulamentações para trajetos nacionais e internacionais, seja de avião, navio ou ônibus. Não é necessário preencher a Guia de Trânsito Animal (GTA) em viagens aéreas e terrestres pelo Brasil com cães e ou gatos. Ainda assim, é solicitado o atestado de saúde, emitido por um veterinário inscrito no Conselho Regional de Medicina Veterinária. “Todas as vacinas precisam estar em dia”, lembra o veterinário Gabriel Cherolin. Sobre os cruzeiros marítimos, o veterinário alerta: “A maioria das companhias proíbe animais a bordo, por isso é sempre bom tirar essa dúvida antes da compra a passagem. Algumas aceitam, mas não permitem o contato com passageiros e cobram taxas especiais”. A exceção é para cães guias de deficientes visuais. A permissão de animais em ônibus, a exemplo dos navios de cruzeiros, varia de acordo com a norma interna de cada companhia. Eles devem viajar em caixas adequadas e bem selecionadas para oferecer conforto ao animal, já que na maioria dos casos a viagem é feita no bagageiro. “Períodos de muito calor ou muito frio devem ser evitados, independentemente do meio de transporte. Os bichos ficam estressados por ficar distante do lar, por isso é importante levar objetos que o façam se sentir mais seguros. Isso vai desde os recipientes de água e ração até cobertores”, explica o veterinário. O peso do animal de estimação não é contabilizado na franquia de bagagem do passageiro e, por isso, é cobrado um valor adicional. Varia de cada empresa a permissão de transportar o animal doméstico dentro da cabine do avião. Outros tipos de animais, como aves, coelhos, furões e iguanas, exigem diferente procedimento. A mesma GTA, dispensada para cães e gatos, precisa ser obtida com um veterinário habilitado pelo Ministério da Agricultura ou pelo órgão executor da defesa sanitária do estado de origem. Já o transporte de animais silvestres exige autorização do Ibama. A regulamentação para viagens internacionais também tem peculiaridades. É exigido o Certificado Zoosanitário Internacional (CZI), emitido pela autoridade do país de origem do animal. O documento precisa estar em conformidade com as exigências sanitárias do país de destino. O CZI costuma ser emitido nos próprios aeroportos, bem como em escritórios do Ministério da Agricultura em cada estado. “Ao planejar a viagem, faça uma consulta mais específica sobre as regulamentações de cada país. Em alguns casos, vale até tentar contato com a embaixada desse país de destino”, lembra Cherolin. Ele recorda que Inglaterra, Austrália, Nova Zelândia e África do Sul estão entre os que têm legislação mais rigorosa.

Não vai levar o seu amigo?

Se viajar e não puder levar seu amigo, é sempre preferível que seja mantido em seu próprio ambiente, para evitar que o estresse e ansiedade causados pela ausência do dono não sejam agravados por estar em local estranho, rodeado por outros animais e por pessoas desconhecidas. Portanto, se possível, deixe uma pessoa de total confiança cuidando do seu amiguinho. Se ele pudesse falar, certamente essa seria sua vontade.